domingo, 3 de novembro de 2013

Aprendendo a orar...

Um homem ficou muito enfermo e sua filha, preocupada, pediu a um amigo que fosse conversar com ele. 

Ela sabia que o pai precisava muito de orações e como não o via orando, pediu ao seu amigo que o visitasse e orasse com ele. 

Quando o amigo entrou no quarto, encontrou o pobre homem deitado, com a cabeça apoiada num par de almofadas. 

Havia uma cadeira ao lado da cama, fato que levou o visitante a pensar que o homem estava aguardando a sua chegada. 

Você estava me esperando? - perguntou. 

Não. Por que?- respondeu o homem enfermo. 

Sou amigo de sua filha. Ela pediu-me que viesse orar com você. Quando entrei e vi a cadeira vazia ao lado da sua cama, imaginei que soubesse que eu viria visitá-lo. 

Ah, sim, a cadeira... Você não se importaria de fechar a porta? 

O visitante se ergueu e fechou a porta. O doente então lhe confidenciou: 

Nunca contei isto para ninguém. Passei toda a minha vida sem ter aprendido a orar. Quando entrava em alguma igreja e ouvia falarem a respeito da oração, de como se deve orar e os benefícios que recebemos através dela, não queria saber de orações. 

As informações entravam por um ouvido e saíam por outro. Eu achava tudo sem sentido. 

Assim sendo, não tinha a mínima idéia de como se deve orar. Então, nunca me dispus a fazer uma prece.

Alguns anos atrás, quando a doença começou a se manifestar em meu corpo, conversando com meu melhor amigo, ele me disse: 

Amigo, orar é simplesmente ter uma conversa com Jesus e isto eu sugiro que você não deixe de fazer. Vou lhe ensinar um método bem simples. 

Você se senta numa cadeira e coloca outra cadeira vazia na sua frente. Em seguida, com muita fé, você imagina que Jesus está sentado nela, bem diante de você. E não pense que isto é loucura, pois Ele próprio prometeu que estaria sempre conosco. 

Portanto, você deve falar com Ele e escutá-Lo, da mesma forma como está fazendo comigo agora. 

Achei aquilo muito interessante. Minha resistência foi sendo vencida e decidi experimentar. Senti-me meio sem jeito, da primeira vez, mas um grande bem estar me encheu a alma. 

Desde então, tenho conversado com Jesus todos os dias. Tenho sempre muito cuidado para que a minha filha não me veja, pois tenho medo que se ela souber que fico falando desta maneira, me interne em uma casa para doentes mentais. 

O visitante sentiu uma grande emoção ao ouvir aquilo. Aquele homem tinha muitas dificuldades para orar e alguém, de uma maneira bem psicológica, lhe ensinara um método para vencer a muralha que parecia intransponível. 

Juntos, ali mesmo, oraram, e depois o visitante se foi. Dois dias mais tarde, a filha lhe comunicou que seu pai havia morrido. 

E narrou da seguinte forma: Quando eu estava me preparando para sair, ele me chamou ao seu quarto. Disse que me amava muito e me deu um beijo. 

Quando eu voltei do mercado, uma hora mais tarde, já o encontrei morto. Porém, há algo de estranho em relação à sua morte. Aparentemente, antes de morrer, ele chegou perto da cadeira que estava ao lado da cama e recostou a cabeça nela. Foi assim que eu o encontrei. 

* * * 

Na oração, o sentimento é tudo. O Divino Mestre sempre Se fez presente ao lado dos simples e dos necessitados. 

Ao nos ensinar uma fórmula para orar, ofereceu-Se como intermediário entre Deus e os homens. 

Desta forma, se o seu coração está ferido, se você se sente sozinho, comece hoje a orar a Jesus.
Redação do Momento Espírita, baseado em texto de autoria desconhecida. Disponível no livro Momento Espírita, v.3, ed. Fep

Nenhum comentário:

Postar um comentário